Select Menu

TRADUZIR ESTE SITE

Web Rádio Gospel Adoração

» » Citado em delação, ministro Henrique Eduardo Alves pede demissão
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) pediu demissão do cargo de ministro do Turismo nesta quinta-feira (16). Em carta enviada ao presidente interino, Michel Temer, ele diz agir "em prol do bem maior".
Henrique Eduardo Alves é o terceiro ministro nomeado pelo presidente interino, Michel Temer (PMDB), a deixar o governo. Na última quarta-feira (15), Alves viu seu nome envolvido na delação premiada do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado. Segundo Machado, Alves teria recebido R$ 1,55 milhão em doações eleitorais oriundos de propina do esquema investigado pela Operação Lava Jato.
Questionada sobre as alegações de Machado, a assessoria de Henrique Alves disse que ele  "repudia a irresponsabilidade e leviandade das declarações do senhor Sérgio Machado". Sua assessoria disse ainda que "todas as doações" para suas campanhas "foram oficiais, as prestações de contas foram aprovadas e estão disponíveis no TSE" e que Alves está à disposição da Justiça e "confiante que as ilações envolvendo o seu nome serão prontamente esclarecidas".
Alves é alvo de dois pedidos de abertura de inquérito feitos pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao STF, que ainda não se pronunciou. Em um deles, a PGR pede que ele seja investigado por suspeitas de envolvimento no chamado "quadrilhão" investigado pela operação. Em outro, o foco é a relação de Henrique Alves com o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro. 
O ex-ministro é suspeito de fazer parte do grupo de políticos do PMDB que deu suporte para que o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa continuasse no cargo em troca de propinas destinadas ao PMDB. O ministro também é suspeito de ter recebido propina do petrolão para a sua campanha ao governo do Rio Grande do Norte, em 2014.
primeiro ministro nomeado por Temer a deixar o governo foi o senador Romero Jucá (PMDB-RR), que ocupava o Ministério do Planejamento. O segundo foi o ex-ministro da Transparência, Fiscalização e Controle Fabiano Silveira. Os dois foram flagrados em conversas gravadas por Sérgio Machado e que integram sua delação premiada. Nos diálogos gravados pelo delator, Jucá diz que era preciso fazer um "pacto" para "estancar a sangria" causada pela Operação Lava Jato. Em outra conversa gravada, Fabiano Silveira aparecia dando conselhos ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) sobre como se defender das investigações feitas pela Lava Jato.

SOB PROTESTO, JUCÁ ANUNCIA QUE VAI SE LICENCIAR DO MINISTÉRIO
cLIQUE NO LINK ABAIXO E VEJA ASSISTA:
https://www.youtube.com/watch?v=yvNx8vY-r-o&feature=youtu.be

Fonte: http://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/brasil/2016/06/16/citado-na-lava-jato-ministro-henrique-eduardo-alves-pede-demissao.htm

Autor CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Você edita-lo, no html
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Publicidade

Família grande projeto de Deus

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Quem sou eu

Minha foto
CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR
Visualizar meu perfil completo

Seguidores do site pelo Google+