Select Menu

TRADUZIR ESTE SITE

Web Rádio Gospel Adoração

» » Guarde esta lista: Estes deputados votaram para NÃO cassar Eduardo Cunha
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Por 11 votos a 9, o Conselho de Ética da Câmara dos Deputados votou pela cassação do presidente afastado da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
Conheça os deputados que votaram contra o relatório do deputado Marcos Rogério (DEM-RO), que pedia o fim do mandato do peemedebista. Ou seja, aqueles que ficaram do lado de Cunha.
Dos nove, sete respondem a processos na Justiça e sete votaram a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff.
Alberto Filho (PMDB-MA): filho do prefeito de Babacal (MA) José Alberto Oliveira Veloso, Alberto está no segundo mandato como deputado federal. Votou a favor do impeachment.
André Fufuca (PP-MA): investigado por corrupção eleitoral no Supremo, está no primeiro mandato na Câmara e votou a favor do impeachment.
Mauro Lopes (PMDB-MG): ministro de Aviação Civil do governo Dilma até abril, votou a favor do impeachment. Está no sexto mandato como deputado federal.
Nelson Meurer (PP-PR): alvo da Lava Jato, está no sexto mandato na Câmara. Em delação premiada, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, afimou que Meurer recebeu R$ 4 milhões desviados da estatal na forma de doações para sua campanha eleitoral. Também votou contra Dilma.
Sérgio Moraes (PTB-RS): deputado federal pela terceira vez, é condenado pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul em duas ações civis públicas por improbidade administrativa e em outra por agressão física. Também teve as contas eleitorais da campanha de 2014 rejeitadas pelo Tribunal Regional Eleitoral gaúcho. Ele recorreu em todos os processos e as condenações nos casos de improbidade foram mantidas. Votou pelo impeachment e em 2009 ficou conhecido por dizer que estava“se lixando para opinião pública”.
Washington Reis (PMDB-RJ): réu por crime ambiental, ele é alvo de outros quatro inquéritos no Supremo. O parlamentar é investigado por lavagem de dinheiro, variação de patrimônio incompatível com os bens declarados à Justiça Eleitoral, envolvimento em um esquema de fraudes em licitações. Também é suspeito de usar a estrutura da prefeitura de Duque de Caixas (RJ) em obras de um condomínio particular. Está no segundo mandato na Câmara e votou pela saída de Dilma.
João Carlos Bacelar (PR-BA): responde a três inquéritos no Supremo que apuram peculato e falsidade ideológica. Teve as contas eleitorais de 2014 reprovadas pelo Tribunal Regional Eleitoral da Bahia. Votou contra o impeachment e está no terceiro mandato na Câmara.
Laerte Bessa (PR-DF): relator da PEC que reduz a maioridade penal, votou pelo afastamento de Dilma e está no segundo mandato como deputado federal. É réu no Tribunal de Justiça do Distrito Federal em ação civil de improbidade administrativa em que é investigado por irregularidades em concurso público para delegado da Polícia Civil do DF.
Wellington Roberto (PR-PB): réu em ação civil pública no Tribunal Regional Federal da 1ª Região, está no quarto mandato na Câmara e votou contra a saída de Dilma.
Apesar de ter votado a favor da cassação de Cunha, o deputado Wladimir Costa(SD-PA) defendeu o parlamentar de forma contundente nos últimos meses. “As pessoas me abordam e dizem que o deputado Eduardo Cunha fez pelo País em ter coragem de por o impeachment da Dilma para votar. Esse homem deveria receber um indulto", dizia.
A pressão popular e a rejeição de Cunha devem ter contribuído para Costa mudar o voto de última hora, contrariando a orientação do seu partido, o Solidariedade, doPaulinho da Força, aliado de primeira hora de Cunha.
Os defensores de Cunha citaram argumentos de testemunhas de defesa do peemedebista no Conselho que sustentaram que o representado não cometeu crime ao não declarar os trustes (tipo de investimento que o deputado tinha na Suíça) no Imposto de Renda.
Também argumentaram que a decisão do presidente afastado da Câmara em aceitar o pedido de impeachment de Dilma se sobrepõe a qualquer irregularidade ou crime que possa ter cometido.
Alguns chegaram a sugerir uma punição menor, como a suspensão do mandato, e criticaram o pedido de prisão de Cunha feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.
Réu por corrupção e lavagem de dinheiro no âmbito da Lava Jato, Cunha é acusado de mentir à CPI da Petrobras ao negar ter contas no exterior. As contas foram comprovadas pelas investigações do Ministério Público e da Polícia Federal.
Fonte: http://www.msn.com/pt-br/noticias/crise-politica/o-3%C2%BA-ministro-de-temer-cai-agora-foi-henrique-eduardo-alves-citado-na-lava-jato/ar-AAh92Hs

Autor CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Você edita-lo, no html
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Publicidade

Família grande projeto de Deus

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Quem sou eu

Minha foto
CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR
Visualizar meu perfil completo

Seguidores do site pelo Google+