Select Menu

TRADUZIR ESTE SITE

Web Rádio Gospel Adoração

» » Juiz proíbe Paulo Bernardo de deixar o País
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

O juiz federal Paulo Bueno de Azevedo proibiu o ex-ministro Paulo Bernardo (Planejamento/Governo Lula) de deixar o País e de manter contato com 'todos os demais investigados' da Operação Custo Brasil. O juiz impôs a Paulo Bernardo outras obrigações: comparecimento quinzenal à Justiça e suspensão de exercício de função pública.Nesta quarta-feira, 29, o ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou soltar Paulo Bernardo.
Depois da decisão de Toffoli, o juiz da 6.ª Vara Federal Criminal de São Paulo mandou soltar Paulo Bernardo e outros sete alvos da Custo Brasil, inclusive o advogado Guilherme Gonçalves - apontado como repassador de propinas para o ex-ministro do Planejamento e pagador de despesas eleitorais da senadora Gleisi Hoffmann (PT/PR), mulher de Paulo Bernardo.
O ex-ministro e os outros investigados foram presos na quinta-feira, 23. Ao todo, a Custo Brasil mira em onze alvos. Um deles, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, já estava preso pela Operação Lava Jato. Dez foram capturados na quinta, inclusive Paulo Bernardo.
A Custo Brasil investiga suposto desvio de R$ 100 milhões de empréstimos consignados no âmbito do Planejamento, desde 2010 (gestão Paulo Bernardo). O ex-ministro teria recebido R$ 7,1 milhões. Por meio de seus advogados, ele nega categoricamente ligação com o esquema Consist.
Em sua decisão de soltar outros sete investigados, junto com Paulo Bernardo, o juiz federal argumentou 'isonomia'.
Ele mandou soltar, além de Paulo Bernardo - cumprindo decisão de Toffoli -, Guilherme de Salles Gonçalves, Daisson Silva Portanova, Dércio Guedes de Souza, Valter Correia da Silva, Emanuel Dantas do Nascimento, Joaquim José Maranhão da Câmara e Washington Luiz Viana.
A todos impôs as mesmas obrigações aplicadas a Paulo Bernardo.
Ao mandar soltar o ex-ministro, Dias Toffoli sugeriu aplicação de medidas alternativas, previstas no artigo 319 do Código de Processo Penal - entre elas tornozeleira eletrônica para Paulo Bernardo.
O juiz Paulo Bueno, porém, lembrou que o equipamento não está disponível. "Ainda que o Supremo Tribunal Federal tenha considerado a prisão desnecessária no caso em apreço, não rejeitou os indícios existentes e determinou ao Juízo a verificação da necessidade de outras medidas cautelares previstas no art. 319 do Código de Processo Penal. O Ministério Público Federal, em relação ao artigo 319 do CPP, requereu a proibição de contato com todos os demais investigados e o monitoramento eletrônico. Em relação ao monitoramento eletrônico, é preciso ressaltar que este Tribunal Regional Federal da 3ª Região, ainda mais em tempos de cortes de despesas, não dispõe de convênio para utilização das tornozeleiras eletrônicas. Trata-se de um problema estrutural da Justiça e este Juízo não pode determinar medidas cautelares não passíveis de efetivação prática."
Fonte: http://www.msn.com/pt-br/noticias/crise-politica/juiz-pro%C3%ADbe-paulo-bernardo-de-deixar-o-pa%C3%ADs/ar-AAhN2Bd

Autor CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Você edita-lo, no html
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Publicidade

Família grande projeto de Deus

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Quem sou eu

Minha foto
CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR
Visualizar meu perfil completo

Seguidores do site pelo Google+