Select Menu

TRADUZIR ESTE SITE

Web Rádio Gospel Adoração

» » Domingo é marcado por protestos contra Temer e por "diretas já"
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

O atual presidente Michel Temer (PMDB) foi alvo de manifestações neste domingo em capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Curitiba. A capital paulista teve o maior ato, que reuniu cerca de 100 mil pessoas, segundo seus organizadores. A PM não divulgou estimativas.
Os atos tiveram um pedido em comum: o pedido por novas eleições, após ser consumado o impeachment de Dilma Rousseff (PT) em votação feita por senadores na última quarta (31).
O protesto foi pacífico durante todo o trajeto da avenida Paulista até o largo da Batata, na zona oeste. No final, policiais militares soltaram bombas de gás lacrimogêneo e jatos d´água, enquanto as lideranças da manifestação pediam para a multidão dispersar. A porta de uma agência bancária ficou estilhaçada e algumas lixeiras quebradas. 
O fotógrafo Maurício Camargo, da Agência Eleven do Rio de Janeiro, foi ferido por uma bala de borracha na perna esquerda. Manifestantes tentaram socorrê-lo.
Segundo a Polícia Militar, nove pessoas foram detidas e encaminhadas para o Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais). Nas redes sociais, integrantes de movimentos sociais dizem que 27 pessoas foram detidas. Segundo o Twitter da PM, "em manifestação inicialmente pacífica, vândalos atuam e obrigam PM a intervir com uso moderado da força / munição química".
Após a confusão, manifestantes discutiram com o comandante da operação, coronel Henrique Motta. "Eu não tenho lado, eu sou do Estado, eu defendo a lei e a ordem", disse o policial, que argumentou que a ação aconteceu por causa de pessoas mascaradas que estavam no protesto.
O início da manifestação foi no vão livre do Masp, principal palco de atos na cidade, após a passagem da tocha paralímpica.
Por volta das 17h, os organizadores estimavam o público em mais de 50 mil pessoas. O número foi ampliado para 100 mil pela organização pouco mais tarde. A polícia militar não fez estimativa do público até as 19h. A via tinha manifestantes por toda a extensão, mas com concentração maior na região do Masp, entre a praça do Ciclista e a avenida Brigadeiro Luís Antônio. Os manifestantes seguiram da Paulista para o largo da Batata, pela avenida Rebouças. No final do protesto, foi queimado um caixão com foto do presidente Michel Temer. 

Ironias contra a fala de Michel Temer

Ronaldo Silva/Futura Press/Estadão Conteúdo
Garota ironiza fala de Temer sobre protestos
Um grande mote para os cartazes no ato foi a declaração de Michel Temer (PMDB) na última sexta. O peemedebista disse que os protestos que ocorreram ao longo de toda a semana na capital paulista eram de "40 pessoas que quebravam carros".
Com o grande público na Paulista, os manifestantes ironizaram tanto esta frase como a do ministro José Serra, que chamou os atos de "mini mini mini". Até o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), presente no ato,agradeceu a Temer por ajudar a aumentar o público graças à fala. O protesto contou com outros políticos, como Eduardo Suplicy (PT) e com artistas, como Letícia Sabatella.

Tocha Paraolímpica alvo de gritos e cartazes

Junior Lago/UOL
Passagem da Tocha Paraolímpica foi alvo de pequeno protesto
A grande polêmica ao longo da semana quanto ao protesto foi por causa da passagem da Tocha Paraolímpica pela avenida. Inicialmente, a Secretaria de Segurança Pública proibiu o ato na avenida por causa da passagem da tocha, mas uma negociação, que envolveu o prefeito Fernando Haddad, fez o horário do protesto ser modificado para as 16h30, após a passagem da tocha.
Na passagem da chama, a via já contava com manifestantes, que gritaram contra Temer e exibiram cartazes, mas não houve manifestação expressiva. Um grupo de três senhoras ainda exibiu cartazes a favor de Temer e contra o ex-presidente Lula (PT).
Uma nova manifestação foi marcada para a próxima quinta-feira, dia 8 de setembro.

Rio de Janeiro

Hermes de Paula / Ag. O Globo
No Rio, ato começou no Copacabana Palace e terminou no Canecão
No Rio de Janeiro, o protesto teve concentração em frente ao hotel Copacabana Palace e fechou a avenida Atlântica. O ato seguiu em direção ao Canecão, onde já havia uma manifestação contra o impeachment de Dilma Rousseff (PT). Cerca de 5.000 pessoas participaram da manifestação, segundo os organizadores. Um manifestante chutou o carro de reportagem do jornal O Estado de S.Paulo, mas foi detido por outros participantes.
Em Curitiba, a concentração começou às 17h, na Praça 19 de Dezembro. Segundo a organização, cerca de 7.000 participaram do ato. A PM estimou em 400.
Em Salvador, cerca de 3.000 manifestantes, segundo os organizadores, fizeram ato na região do Farol, durante a tarde, terminando após as 18h. A PM estimou o número em 300.
Em Brasília, pela manhã, um pequeno grupo fez protesto na frente do prédio onde mora o senador Cristovam Buarque, que votou pelo impeachment da ex-presidente.
*Colaboraram Gabriel Francisco Ribeiro e Talita Marchao

Fonte:  http://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/brasil/2016/09/04/domingo-e-marcado-por-protestos-contra-temer-e-por-diretas-ja.htm#comentarios

Autor CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Você edita-lo, no html
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Publicidade

Família grande projeto de Deus

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Quem sou eu

Minha foto
CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR
Visualizar meu perfil completo

Seguidores do site pelo Google+