Select Menu

TRADUZIR ESTE SITE

Web Rádio Gospel Adoração

» » STF libera para o juiz Sergio Moro ação contra Cunha sobre contas na Suíça
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga


A ação penal contra o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) por contas bancárias não declaradas na Suíça será enfim remetida do STF (Supremo Tribunal Federal) ao juiz Sérgio Moro, do Paraná. A providência será tomada vinte dias depois de o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Teori Zavascki ter tomado a decisão de encaminhar o processo para a Justiça Federal no Estado.

Com a cassação, Cunha perdeu direito ao foro privilegiado --ou seja, ao direito de ser julgado pelo Supremo. Em 14 de setembro, dois dias depois da perda do mandato, Teori autorizou a remessa para Moro da ação penal em que Cunha é acusado de corrupção, evasão de divisas e lavagem de dinheiro por manter contas na Suíça com dinheiro oriundo de uma suposta operação envolvendo negócios da Petrobras na África. No entanto, o envio do caso para o juiz só teria efeito após a publicação da decisão do plenário da Corte que recebeu a denúncia contra Cunha, o que só aconteceu agora. 

Moro já conduz investigações contra a mulher de Cunha, Cláudia Cruz, e uma de suas filhas, Danielle Dytz da Cunha, com relação às contas bancárias no exterior das quais a família é beneficiária. O ministro dos Transportes, Maurício Quintela, e os deputados federais Carlos Marun (PMDB-MS), Jovair Arantes (PTB-GO) e Hugo Motta (PMDB-PB) vão depor este mês como testemunhas de defesa de Cláudia.

Com a perda do mandato, a primeira ação penal aberta contra o deputado cassado, referente a recebimento de US$ 5 milhões em propina oriunda de contrato da Petrobras para aquisição de navios-sonda, foi encaminhada ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região, que abrange o Estado do Rio de Janeiro. O caso não foi remetido à Justiça do Paraná porque, além de Cunha, é ré no processo a prefeita de Rio Bonito (RJ), Solange Almeida. Como chefe de executivo municipal, Solange tem foro privilegiado perante tribunal de segunda instância. 
Cunha nega todas as acusações que recaem contra ele. O político do PMDB foi cassado sob a acusação de ter mentido ao afirmar que não possuía contas no exterior em depoimento na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Petrobras no ano passado. Ele negou ter mentido relacionou sua cassação ao processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Por 450 votos a favor, 10 contra e nove abstenções, o deputado perdeu o mandato e ficou inelegível até 2027.

No domingo (2), ao votar no Rio de Janeiro, Cunha afirmou que o processo de cassação contra ele "não está sepultado" e garantiu que entrará com algumas ações no Supremo Tribunal Federal (STF). "Até a próxima eleição, ainda tem muita água para rolar".

*Com Estadão Conteúdo e Agência Brasil

Autor CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Você edita-lo, no html
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Publicidade

Família grande projeto de Deus

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Quem sou eu

Minha foto
CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR
Visualizar meu perfil completo

Seguidores do site pelo Google+