Select Menu

TRADUZIR ESTE SITE

Web Rádio Gospel Adoração

» » Aproximação do papa com a China é “traição a Cristo”, diz cardeal
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Crítico do regime, líder católico acredita que Francisco é “ingênuo”.

São mais de seis décadas de conflitos entre o governo da China e o Vaticano, por causa da nomeação de sacerdotes. Pequim não aceita que a Santa Sé faça as escolhas, pois isso interferiria na ‘soberania’. Trata-se de uma forma velada do partido comunista continuar exercendo o controle das igrejas.
A Associação Católica Patriótica é controlada pelo regime, e responsável por nomear os bispos no país, que não são reconhecidos pela cúpula da Igreja.
Agora, a sinalização feita por Francisco de uma aproximação está gerando críticas de quem conhece bem como funciona a repressão chinesa ao cristianismo. O cardeal Joseph Zen Kiun, bispo emérito de Hong Kong, insiste que uma aproximação entre as duas partes seria como “trair Jesus Cristo”.
Ferrenho crítico do regime na China continental, o cardeal Zen é um apoiador dos movimentos pró-democracia. Ele teme que o Papa Francisco ‘ceda’ ao regime comunista. “Talvez o Papa seja um pouco ingênuo, não tem o conhecimento de quem são os comunistas na China”, afirmou ao periódico inglês The Guardian.
Ouvido pelo Guardian, Francesco Sisci, jornalista que vive em Pequim e se especializou nas relações entre a China e a Santa Sé, admitiu que existe uma grande possibilidade de que um “acordo amplo” seja feito.
Quando foi entrevistado por Sisci a última vez, Francisco dizia que não se devia temer a ascensão econômica e política da China, sublinhando que “os homens e as civilizações tendem a comunicar”. Para o pontífice: “No mundo ocidental e na China, todos têm a capacidade e a força de manter o equilíbrio da paz”.

Perseguição não parou

Uma motivação para o Vaticano assinar um acordo de cooperação e passar a reconhecer os bispos apontados por Pequim seria o número relativamente pequeno de católicos no país. Há cerca de 10 milhões de católicos chineses, apenas um décimo do número total de cristãos no país.
A Santa Sé argumenta que, com o acordo proposto, os padres poderiam pregar com mais facilidade e abrir mais igrejas. Zen acredita que o argumento é falho. Trata-se de uma “falsa liberdade”, insiste o cardeal de Hong Kong, “É apenas a impressão de liberdade, não é uma liberdade verdadeira. O povo, mais cedo ou mais tarde, verá que os bispos são fantoches do governo e não realmente pastores do rebanho “.
Aos 84 anos, o bispo Zen, é conhecido por sua oposição às tentativas do partido comunista  limitar o papel da Igreja em Hong Kong. “O papa está acostumado com alguns comunistas que são perseguidos [na América Latina], e talvez não conheça os comunistas que já mataram centenas de milhares”. Se assinar um acordo com o regime que governa o país mais populoso da terra, os católicos representados pelo papa estariam “rendendo-nos, traindo-nos e traindo a Jesus Cristo”.
“Os bispos oficiais não estão realmente pregando o evangelho. Eles estão pregando a obediência à autoridade comunista”, adverte.
Quando persegue os cristãos, o governo chinês não faz distinção, tanto evangélicos quanto católicos sofrem com o mesmo tipo de cerceamento de liberdade.

Perseguição aumentou

A perseguição contra os cristãos na China ficou sete vezes maior na última década.  De acordo com o último relatório da missão China Aid, desde 2008 é possível ver um aumento constante nos casos de prisões de líderes, fechamento e demolições de templos.
De fato, as comunidades religiosas na China vivem o mais intenso ano de perseguição desde a Revolução Cultural (1966-1976), quando o país passou a adotar o sistema comunista.
Nos tempos de Mao Tsé-tung, o ateísmo foi um dos pilares para o estabelecimento da República Popular da China. Contudo, sua tentativa de exterminar toda forma de religião no país fracassou.
Ao longo das décadas seguintes, houve uma tentativa do Estado de assumir o controle das igrejas do país. A questão religiosa passou para segundo plano, enquanto o país mais populoso do mundo passava por profundas mudanças sociais e econômicas. Na década de 1970, Pequim anunciou que desistiria de tentar erradicar a religião organizada.
Com a ascensão do presidente, Xi Jinping, o discurso mudou. Segundo ele mesmo, a “gestão da religião é, em essência, a gestão das massas”. Atualmente, o país está entre os que mais perseguem os cristãos no mundo, segundo a missão Portas Abertas. Estima-se que 90% das cruzes de igrejas consideradas “não oficiais” tenham sido retiradas à força.
O relatório publicado pela China Aid afirma que embora budistas e muçulmanos sofram represálias, os cristãos estão sendo mais perseguidos, espancados e torturados do que nunca.
Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br/aproximacao-papa-china-traicao-cristo/

Autor CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Você edita-lo, no html
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Publicidade

Família grande projeto de Deus

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Quem sou eu

Minha foto
CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR
Visualizar meu perfil completo

Seguidores do site pelo Google+