Select Menu

TRADUZIR ESTE SITE

Web Rádio Gospel Adoração

» » Comissão aprova relatório de medidas anticorrupção
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

O relator começou a analisar há alguns meses as dez medidas originalmente propostas pelo Ministério Público.

Depois de mais de 13 horas de sessão e com inúmeras idas e vindas, a comissão especial da Câmara que analisou o pacote de medidas contra a corrupção aprovou nesta quarta-feira (23) o relatório do deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) por 30 votos a 0.

Ainda restam votações dos chamados "destaques" (tentativa de exclusão de pontos do relatório).
Sob intensa pressão, o relator alterou várias vezes o seu texto até nos últimos minutos, sendo algumas mudanças motivadas aos berros pelos deputados no plenário.
Ao final, insinuou ter recebido propostas indecorosas. "Resisti a facilidades, resisti a propostas de conveniência, as pressões foram terríveis", afirmou Lorenzoni.
O relator começou a analisar há alguns meses as dez medidas originalmente propostas pelo Ministério Público. Elevou-as para 18, depois recuou para 17. Em seguida para 12 e, nesta quarta, tirou mais três e reincluiu uma que havia cancelado. O saldo final voltou possivelmente a dez tópicos -Lorenzoni não apresentou texto final dividido em capítulos.
Em um dos exemplos da confusão, o relator estabeleceu que uma série de crimes seriam considerados hediondos caso o desvio fosse superior a R$ 88 mil. Na noite dessa quarta, esse piso subiu para R$ 8,8 milhões.
Em outro exemplo, Onyx acolheu emenda do deputado Espiridião Amin (PP-SC) para limitar a um ano o prazo máximo do oferecimento de denúncia pelo Ministério Público. Caso contrário a investigação seria arquivado. Sob protestos de que essa medida poderia inclusive enterrar a Lava Jato, Lorenzoni retirou a proposta na hora da votação.
As principais polêmicas, porém, ficaram para serem definidas na votação no plenário da Câmara, o que pode ocorrer ainda na noite desta quarta ou na madrugada de quinta (24).
A principal delas é a anistia para o chamado crime de caixa dois eleitoral (uso de dinheiro de campanha sem declaração à Justiça), cujo objetivo é livrar da punição políticos alvos da Operação Lava Jato.
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e líder dos principais partidos políticos acertaram emenda para estabelecer, na lei, que ninguém será punido por ter recebido no passado doações, declaradas ou não à Justiça, de valores, bens e serviços para atividades eleitorais e partidárias.
O outro ponto são regras para endurecer a punição a juízes e integrantes do Ministério Público que cometerem ilícito. De acordo com integrantes da força tarefa da Lava Jato, essa medida é uma clara tentativa de intimidar investigadores e o Judiciário. Onyx não contemplou esse ponto em seu relatório, mas deputados ameaçam incluí-lo no plenário.
A tentativa de "acordão" para anistiar o caixa dois tumultuou mais ainda as discussões na comissão, com deputados afirmando que a Câmara pretende aplicar um golpe durante a madrugada.
DISCUSSÃO
O pacote anticorrupção votado nesta quarta tem origem nas chamadas "dez medidas" elaboradas pelo Ministério Público Federal, que as entregou ao Congresso em março. As propostas reduzem prazos processuais, elevam penas e tipificam crimes hoje inexistentes na legislação, entre outros pontos.
A maioria das medidas foi mantida, mas com várias alterações.
A validação de prova ilícita obtida de boa-fé e restrições ao instrumento do habeas corpus, por exemplo, foram retirados.
Onyx acrescentou outras duas medidas ao pacote do Ministério Público. A criação da figura do "reportante do bem" (delator não envolvido no crime, que receberá recompensa) e a possibilidade de acordo entre defesa e acusação, com o objetivo de simplificar os processos e desafogar a Justiça.
Ele também acatou uma emenda para criminalizar o eleitor que venda o seu voto. A pena é de 1 a 4 anos de prisão, mais multa.
VEJA OS PRINCIPAIS PONTOS QUE RESTARAM NO PACOTE
1) Prevenção à corrupção, transparência e fontes de informação dos investigadores
- Aplicação de "teste de integridade" no serviço público, após treinamento, sem consequências penais para o servidor
- Divulgação estatística dos processos, cíveis e penais, referentes à corrupção
2) Crime de enriquecimento ilícito de funcionários públicos
- Tipifica o crime, com pena de 3 a 8 anos, mais multa
3) Crimes contra a administração pública
- Eleva penas para crimes contra a administração pública e os coloca no rol de crimes hediondos caso o valor desviado seja maior do que cem salários mínimo (R$ 88 mil hoje)
4) Ação de improbidade administrativa
- Agiliza o processo e confere legitimidade ao Ministério Público para celebrar acordo de leniência com pessoas físicas e jurídicas
5) Prescrição
- Endurece as regras para que os réus se livrem devido à morosidade judicial
6) Caixa dois
- Criminaliza especificamente o crime de caixa dois eleitoral e responsabiliza também os partidos políticos pela prática
7) Perda de bens
Estabelece perda de bens ou valores que tenham origem em atividade ilícita grave
8) Delação
Cria a figura do "reportante do bem". A pessoa que passar informação sobre crime ao qual não esteja envolvida terá direito a proteção de identidade e receberá parte dos valores ressarcidos e das multas aplicadas aos infratores
9) Acordos
Defesa e acusação poderão em crimes menos graves fazer um "acordo de culpa", com definição da pena, cabendo ao juiz a homologação. Objetivo é simplificar os processos e desafogar a Justiça.
10) Ação popular
Reforma as regras da ação popular, ampliando o alcance da medida. 
Com informações da Folhapress.

Autor CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Você edita-lo, no html
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Publicidade

Família grande projeto de Deus

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Quem sou eu

Minha foto
CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR
Visualizar meu perfil completo

Seguidores do site pelo Google+