Select Menu

TRADUZIR ESTE SITE

Web Rádio Gospel Adoração

» » Crivella fala em municipalizar porto, UPAs, hospitais e Maracanã. É viável?
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

  • Para Crivella, a prefeitura tem condições de ser o "gestor pleno" da rede do SUS no Rio
A dois meses de tomar posse, o prefeito eleito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), abriu diálogo com o governo federal para implementar a municipalização das unidades federais administradas pelo SUS (Sistema Único de Saúde) na cidade. Na terça-feira (1º), ele jantou com o presidente da República, Michel Temer (PMDB), e apresentou a proposta. Segundo Crivella, o Rio poderá se tornar o "gestor pleno" dos hospitais e institutos federais em funcionamento na capital fluminense.
Entre os planos da nova administração, está ainda a absorção de 16 UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) que pertencem ao governo do Estado. Crivella pretende também incorporar à prefeitura o controle do Porto do Rio, hoje sob responsabilidade da CDRJ (Companhia Docas do Rio de Janeiro). Durante a campanha, o então concorrente do PRB também propôs a municipalização do Estádio do Maracanã. Em vídeo direcionado aos torcedores do Flamengo, ele sugere a criação de uma PPP (parceria público-privada), por meio da qual Flamengo e prefeitura ficariam responsáveis pelo Maracanã.
A fim de entender o processo de municipalização defendido por Crivella, o UOL conversou com os especialistas em finanças públicas e gestão orçamentária Mauro Osório, professor da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), e José Roberto Afonso, professor e pesquisador do Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas). Eles entendem que o resultado poderá ser positivo para o Rio, desde que haja uma parceria efetiva entre os entes envolvidos, e não apenas uma simples transferência de gestão.
Ambos ressaltam, porém, que seria prematuro avaliar possíveis impactos para os cofres do município. A municipalização poderia representar tanto um incremento da receita --caso as concessões sejam lucrativas para o governo, conforme Crivella sustenta-- quanto um duro golpe nas finanças da prefeitura, caso ela tenha que assumir dívidas, por exemplo, ou deixe de receber repasses.
Em relação à saúde, o Rio teve, a partir do fim da década de 90, uma experiência negativa ao chamar para si a responsabilidade de gerir os hospitais do SUS. Em 1998, o então prefeito, Luiz Paulo Conde, fez um acordo para administrar a rede com os repasses do Ministério da Saúde. No entanto, houve sucessivos atrasos na transferência de recursos, o que resultou em uma grave crise no setor. A prefeitura chegou a suspender o atendimento de emergência nos hospitais.
Em março de 2005, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva decretou intervenção federal na saúde do Rio. Dois hospitais de campanha --da Marinha e da Aeronáutica-- foram montados na cidade para desafogar o atendimento nos hospitais. Três meses depois, as partes acertaram a devolução da rede, e os hospitais federais voltaram a receber recursos da União.
Gabriel de Paiva/Agência O Globo
Médicos residentes protestam em frente ao Hospital Federal do Andaraí, na zona norte carioca

Saúde

Se houver consenso entre Crivella e o Ministério da Saúde, os seis hospitais federais do Rio e os três institutos que fazem parte do SUS passariam a ser controlados pelo governo municipal já a partir do ano que vem. "Não tenho medo da gestão plena do SUS. Estou disposto a encarar esse grande desafio. Será o desafio da minha vida", afirmou o novo prefeito, um dia depois de ganhar a eleição. A reportagem tentou contato novamente com Crivella, na última quinta-feira (3), mas sua assessoria de imprensa informou que ele viajou para Israel e não poderia responder. Ele retornará ao Brasil na próxima terça (8).
Para o vencedor do pleito municipal, a municipalização será positiva para todas as partes envolvidas. Crivella explicou que, apesar da transferência de gestão, os repasses federais serão mantidos, pois são eles que garantem o funcionamento da rede. "Não podemos fazer como na época do prefeito [Luiz Paulo] Conde (1997-2000), quando os repasses eram atrasados e não vinham reajustados. Se houver um compromisso com o governo federal que os repasses chegarão em tempo e serão reajustados, de forma a não asfixiar os cofres da prefeitura e colocar em risco as nossas finanças, sobretudo o pagamento dos pensionistas, aposentados e funcionários, eu vou enfrentar."
Segundo informações do Portal da Transparência da União, em 2015, as nove unidades federais consumiram R$ 1,3 trilhão em repasses do Fundo Nacional de Saúde. A maior parte foi destinada ao Instituto Nacional do Câncer: quase R$ 430 milhões. Completam a lista Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (R$ 210 milhões), Instituto Nacional de Cardiologia (R$ 113 milhões), Hospital dos Servidores (R$ 165 milhões), Hospital da Lagoa (R$ 71 milhões), Hospital de Ipanema (R$ 60 milhões), Hospital Cardoso Fontes (R$ 75 milhões), Hospital de Bonsucesso (R$ 151 milhões) e Hospital do Andaraí (R$ 98 milhões).
"Temos que olhar a questão dos recursos e saber como vai se dar essa combinação por parte da prefeitura e do governo federal. A prefeitura seria apenas a gestora da rede e, por esse motivo, ficaria com ela a função de administrar esses recursos. Em tese, isso faz todo sentido, pois a ideia original do SUS é justamente ser municipal. Ou seja, o município fica com a gestão, e o governo federal tem um papel de coordenação e repasse de recursos", explicou Mauro Osório.
José Roberto Afonso também afirma que as parcerias entre entes governamentais são uma tentativa válida de reduzir os impactos provocados pela crise. "Em meio à crise fiscal, quanto mais um governo, qualquer governo, puder explorar serviços através de parcerias, tanto melhor", disse. O professor da FGV destaca, por outro lado, que uma análise mais profunda do modelo de municipalização depende dos acordos e da negociação que colocará na mesma mesa o Ministério da Saúde e a Prefeitura do Rio. "Agora, cada caso é um caso, exige análise de projeto, avaliar viabilidade."
O mesmo raciocínio pode ser aplicado, afirmam os especialistas, em relação às 16 UPAs do Estado que Crivella pretende incorporar à gestão da prefeitura --o prefeito eleito não informou quais são as unidades que passariam pela municipalização. Atualmente, informou a Secretaria Estadual de Saúde, a rede de saúde fluminense tem 30 UPAs, com custeio anual de R$ 478,8 milhões. Ou seja, as despesas por cada unidade representam cerca de R$ 16 milhões por ano. Os contratos de gestão das Unidades de Pronto Atendimento preveem repasses de quase R$ 40 milhões por mês. 
Osório explicou que as despesas na área de saúde costumam ser muito altas e que, em meio a um cenário de crise fiscal do país, a integração e a cooperação podem ser, de fato, medidas importantes. "Quanto mais você integra, menor custo você tem", declarou Osório. "Mas isso tudo tem que ser negociado. Até porque a prefeitura pode não estar em estado de calamidade, como o governo do Estado, mas certamente está em uma situação justa."
Divulgação/Governo do Estado do Rio de Janeiro
Porto do Rio é gerido pela Companhia Docas, do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil

Porto do Rio

No caso do porto, a Prefeitura do Rio poderá assumir a gestão se chegar a um acordo com o Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil e com a Companhia Docas do Rio de Janeiro. Durante a campanha, Crivella chegou a comentar a possibilidade de criar uma PPP (parceria público-privada) que assumiria a gestão do porto, na tentativa de melhor integrá-lo à cadeia produtiva da cidade.
Osório explicou que o planejamento de gestão portuária tem uma característica diferente em comparação com a saúde, já que pode representar uma fonte de receita. Por esse motivo, a negociação com o governo federal poderá ser mais complicada.
"Envolve outros fatores, e você teria que verificar que tipo de benefício isso pode trazer [para a prefeitura]. Além da receita de excesso, o porto também gera arrecadação de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). O planejamento portuário não pode ser isolado, um para o Rio e outro para os demais portos do Estado. Precisa ser uma política integrada."
A reportagem entrou em contato com o governo, por meio da Secretaria Especial de Portos, mas não obteve dados referentes a custos somente com o Porto do Rio até a tarde desta sexta-feira (4). Em 2015, a Docas consumiu pouco mais de R$ 413 milhões em despesas, a maioria com gasto de pessoal.
AFP PHOTO / Andrej ISAKOVIC
Maracanã foi palco da final da Copa do Mundo e das cerimônias de abertura e encerramento da Rio-2016

Maracanã

Crivella também sugeriu, durante a eleição, municipalizar o Estádio do Maracanã e ajudá-lo a gerir junto ao Flamengo, um dos principais clubes de futebol do Rio, nos mesmos moldes que o governo municipal concedeu o Estádio Olímpico Nilton Santos, o Engenhão, para o Botafogo. A promessa eleitoral foi feita em um vídeo no qual o próprio Crivella faz um discurso direcionado aos torcedores do rubro-negro carioca.
O Maracanã, palco da final do Mundial 2014 e das cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos Olímpicos de 2016, foi reformado a custo de R$ 1,2 bilhão para os jogos da Copa do Mundo do Brasil. Foi repassado à iniciativa privada por meio de uma concessão estadual. Até hoje, no entanto, o consórcio vencedor da licitação não fez os pagamentos previstos em contrato.
Em dezembro de 2015, para a concessionária, os prejuízos acumulados com a gestão do Maracanã superaram a marca de R$ 173 milhões. No ano passado, os custos diretos com o estádio bateram os R$ 55 milhões, enquanto as despesas financeiras foram de R$ 36 milhões e as despesas gerais e administrativas, R$ 23 milhões. As informações estão no último balanço financeiro divulgado pelo consórcio responsável pela gestão do estádio.
Para José Roberto Afonso, caso Crivella cumpra sua promessa de campanha, a prefeitura deverá realizar um estudo financeiro dos débitos do estádio antes de investir em uma PPP. "O Maracanã é uma concessão do governo do Estado. É preciso antes de tudo saber por que o concessionário está aparentemente devolvendo. Esse é o caminho inicial para reavaliar a situação, e só a partir de um laudo consistente, avaliando potencial de rentabilidade, a necessidade de investimentos, os custos de funcionamento, é que um governo pode decidir se assume ou não a responsabilidade e só depois opinar."
Fonte: http://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/brasil/2016/11/08/crivella-fala-em-municipalizar-porto-upas-hospitais-e-maracana-e-viavel.htm

Autor CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Você edita-lo, no html
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Publicidade

Família grande projeto de Deus

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Quem sou eu

Minha foto
CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR
Visualizar meu perfil completo

Seguidores do site pelo Google+