Select Menu

TRADUZIR ESTE SITE

Web Rádio Gospel Adoração

» » Evangélico, deputado Lucena pede que Brasil reconsidere voto contra Israel
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Itamaraty diz que “busca equilíbrio e imparcialidade em decisão da Unesco”.

Após a divulgação de que o Brasil havia votado novamente em desfavor de Israel na reunião da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) em outubro, houve muitos protestos por parte de judeus e evangélicos.
Com parte da imprensa nacional fazendo uma cobertura parcial dos fatos e muita informação incorreta sendo compartilhada nas redes sociais, o assunto gerou polêmica.
Preocupado com o voto do Brasil nas últimas sessões do Conselho Executivo da UNESCO, o deputado federal Roberto de Lucena (PV/SP) cobrou explicações do Ministério das Relações Exteriores sobre esse posicionamento. “Quase um quarto da população brasileira é evangélica e Israel é a segunda casa de cada cristão. Como evangélico, cristão e deputado, não posso compactuar nem apoiar qualquer governo que aprove um texto parcial e desequilibrado, claramente prejudicial a Israel”, enfatizou o parlamentar.
O gabinete do ministro das Relações Exteriores José Serra enviou um comunicado, afirmando que o Brasil “está trabalhando para que a aprove decisão mais equilibrada e imparcial sobre a preservação do patrimônio cultural e religioso da Palestina”. Uma reunião sobre o assunto foi realizada na última quinta-feira (27) no gabinete de Lucena, na Câmara dos Deputados.
A justificativa do Itamaraty é que, para o governo brasileiro, o texto aprovado recentemente, mesmo não sendo o adequado, teve avanços em relação ao aprovado anteriormente. O Brasil entende que o novo texto reconhece os vínculos das três religiões monoteístas (cristianismo, judaísmo e islamismo) com a Cidade Velha de Jerusalém. Esse seria um primeiro passo para  uma abordagem mais isenta e construtiva sobre o tema.
Roberto de Lucena, que é pastor da igreja O Brasil para Cristo, anunciou que vai mobilizar as bancadas evangélica e católica no Congresso, além de chamar o Grupo de Amizade Brasil-Israel para debater o assunto. Ele espera contar com o apoio de lideranças cristãs de todo o país, bem como das entidades judaicas. “Vamos acompanhar de perto todas as ações do governo brasileiro referentes a este tema, na expectativa de que o texto continue evoluindo para o adequado e justo”, finalizou o parlamentar.
Posicionamentos conflitantes
Durante os 13 anos de governo petista, o Brasil vinha apoiando as decisões da ONU contra Israel. O não reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel e a recusa em receber o embaixador indicado pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu deixaram a relação dos dois países em um impasse que não foi resolvido após Michel Temer assumir a presidência.
O Ministério das Relações Exteriores comandado por José Serra havia feito uma sinalização nesse sentido em junho, quando o Itamaraty, decidiu mudar o voto brasileiro na 199ª Sessão da Unesco, realizada em abril – Dilma ainda era presidente.
Na ocasião, foi debatido os direitos pelo patrimônio cultural nos territórios conquistados por Israel na Guerra dos Seis Dias. O texto, que era abertamente pró-palestinos, foi aprovado por 33 votos a favor (incluindo o do Brasil).
Já na 200ª sessão do Conselho Executivo da Unesco, realizada em outubro, houve nova mudança de postura na condução do tema. A moção apresentada por países árabes que apoiam a causa palestina (incluindo Egito, Marrocos, Argélia, Líbano, Omã, Catar e Sudão) nega a ligação histórica do Monte do Templo com Israel..
A representante do governo brasileiro afirma que atuou para uma revisão do texto aprovado. Apesar de ter votado com a maioria, o Brasil deixou claro que a resolução manteve problemas e linguagem incompatíveis com um tratamento equilibrado do tema, especialmente ao atribuir a Israel a responsabilidade pelo ciclo de violência na região.
Uma nova reunião do Comitê Executivo da Unesco ocorrerá no primeiro semestre de 2017. A   201ª Sessão Deliberativa voltará a tratar do tema. O Itamaraty esclarece que o Brasil está trabalhando, juntamente com outros países membros do Comitê, para que “o texto da resolução sobre a preservação do patrimônio na região evolua ainda mais, a fim de que os pontos conflitantes e mais complexos, considerados excessivos, possam ser revistos”.
Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br/evangelico-deputado-lucena-pede-que-brasil-reconsidere-voto-contra-israel/

Autor CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Você edita-lo, no html
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Publicidade

Família grande projeto de Deus

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Quem sou eu

Minha foto
CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR
Visualizar meu perfil completo

Seguidores do site pelo Google+