Select Menu

TRADUZIR ESTE SITE

Web Rádio Gospel Adoração

» » PAGOU BARATO: Empresário detido pela Lava Jato paga R$ 3 milhões para sair da prisão
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

A Justiça Federal do Paraná estipulou fiança de R$ 3 milhões para que o empresário Mariano Marcondes Ferraz deixe a cadeia.  Ele foi preso em 26 de outubro suspeito de pagar US$ 800 mil em propina para o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras  Paulo Roberto Costa.
O valor da fiança foi arbitrado em uma audiência realizada na tarde desta quinta-feira (3). O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância, representantes do Ministério Público Federal (MPF) e o investigado participaram da audiência. Ele deixou a cadeia no fim da tarde.
O empresário está proibido de deixar o país, e o passaporte deve ficar com a Justiça. Ele também não pode mudar de endereço sem a autorização do juiz e deve comparecer aos atos referentes ao processo.

Comprovante de depósito dos R$ 3.000.000,00 da fiança (Foto: Reprodução)
Petição
Antes da audiência, a defesa de Mariano Marcondes Ferraz havia protocolado no processo eletrônico da Justiça Federal uma petição pedindo a liberdade do cliente. No documento, os advogados também relataram que o empresário admitiu ter pagado propina no esquema de corrupção na Petrobras a Paulo Roberto Costa.
De acordo com a defesa, o empresário admitiu a realização dos pagamentos durante um depoimento à Polícia Federal (PF) e que assumiu o “compromisso de colaborar na apuração dos fatos”.
Mariano Marcondes Ferraz foi detido Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo. Ela ia embarcar em um voo para Londres. Desde o dia 27 de outubro, o empresário está preso na carceragem da PF, em Curitiba.



Guia de depósito de R$ 3.000.000,00 de fiança (Foto: Reprodução)
As suspeitas
Há indícios, segundo o MPF, de que Mariano Marcondes Ferraz tenha praticado crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.
Conforme as investigações, o executivo do Grupo Trafigura e epresentante da Decal do Brasil pagou vantagens indevidas, entre 2011 e 2013, de aproximadamente US$ 800 mil, conforme o MPF.
O pagamento de  está relacionado a contratos firmados com a Petrobras e foi feito a Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da estatal e delator da Lava Jato. Atualmente, cumpre pena em regime aberto.
Ainda de acordo com o MPF, o pagamento foi realizado por meio de depósitos em offshore mantida no exterior por genros de Paulo Roberto Costa. Esse pagamento de propina aconteceu por vários anos – pelo menos, até 2014.
Em depoimento do acordo de colaboração premiada, Paulo Roberto Costa afirmou ter recebido propina de Mariano Marcondes Ferraz devido a contratos firmados com a estatal.
Pedido de prisão
Os procuradores pediram pela prisão do empresário para garantir a ordem pública e evitar o risco à aplicação da lei penal. Segundo o MPF, Mariano Marcondes Ferraz possui dupla nacionalidade – brasileira e italiana – e mora no exterior, onde trabalha e tem recursos financeiros depositados.
O MPF alegou que foi verificada uma mudança no padrão de viagens do empresário ao Brasil depois da deflagração da Lava Jato. Para o MPF, este fato é um indicativo de que Mariano Marcondes Ferraz tinha medo de uma eventual prisão e responsabilização.
Também foi apurado que o empresário, conforme o MPF, poderia não retornar mais ao Brasil e, assim, atrapalhar a efetividade do processo e da aplicação de pena, caso seja condenado.
Decisão da Justiça mostra as condições para a libertação de Mariano Marcondes Ferraz (Foto: Reprodução)
Justificativas da defesa
Entretanto, na petição protocolada nesta quinta, os advogados explicaram que Mariano Marcondes Ferraz passou a morar em Londres, em dezembro de 2015, devido à gravidez da esposa, a atriz Luiza Valdetaro. Na época, havia um surto do vírus da zika no Brasil e, por essa razão, eles decidiram se mudar.
A filha do casal nasceu em julho deste ano, e a esposa do empresário teve complicações no parto. Conforme a defesa, Luiza Valdetaro precisou ficar internada por cerca de uma semana e, até hoje, frequenta sessões de fisioterapia para tratar o problema de saúde, pois havia o risco de perder os movimentos da perna.
“Justificadas, portanto, as razões pelas quais o requerente pouco veio ao Brasil nesse período: primeiro acompanhou a gravidez de sua esposa evitando o risco de contrair o vírus da zika, e , depois, o tratamento para a recuperação de sua saúde”, diz um trecho da petição.
Os advogados relataram que, após a superação deste quadro, Mariano Marcondes Ferraz esteve no Rio de Janeiro em agosto para as Olimpíadas e, em outubro, para compromissos profissionais no Rio de Janeiro e em São Paulo.
“Todas as vezes ingressou em território nacional em voo de carreira e munido do seu passaporte, sem qualquer dissimulação ou disfarce, conduta esta absolutamente incompatível com alguém que estivesse pretendendo se subtrair à ação das autoridades”, diz a defesa  na petição.
Os advogados também afirmam que o retorno da família para o Rio de Janeiro já estava programado para dezembro – para o batizado da filha e para as festas de fim de ano.
Ainda de acordo com a defesa, depois da prisão de Mariano Marcondes Ferraz, a esposa dele tomou as providências para o retorno ao Brasil, “onde pretende fixar moradia enquanto perdurar esse processo”
Fonte: http://peloamordedeus.com/pagou-barato-empresario-detido-pela-lava-jato-paga-r-3-milhoes-para-sair-da-prisao/

Autor CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Você edita-lo, no html
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Publicidade

Família grande projeto de Deus

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Quem sou eu

Minha foto
CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR
Visualizar meu perfil completo

Seguidores do site pelo Google+