Select Menu

TRADUZIR ESTE SITE

Web Rádio Gospel Adoração

» » Para Dilma, eleição indireta seria um 'golpe dentro do golpe'
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Ex-presidente participou de um evento com a ex-presidente argentina Cristina Kirchner.

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) disse nesta quinta-feira (22), em Buenos Aires, que, caso o presidente Michel Temer (PMDB) seja afastado do cargo ou renuncie depois de 31 de dezembro e isso cause a necessidade de uma eleição indireta, via Congresso, haveria "um golpe dentro do golpe". E acrescentou: "Com o golpe de 1964 ocorreu algo parecido, ele só se concretizou mesmo em 13 de dezembro de 1968 [data do Ato Institucional-5, que endureceu o regime]. Também agora estamos vendo um longo processo de golpes, que começaram com a minha saída por meio de um impeachment fraudulento."

A ex-mandatária classificou o processo que vive o Brasil como um "ataque de fungos e parasitas que está corroendo nossa democracia."
Dilma participou de um evento organizado pela CLACSO (Conselho Latino-americano de Ciências Sociais), muito concorrido por um público de estudantes, militantes de movimentos sociais e políticos ligados à ex-presidente argentina Cristina Kirchner. Festejada pelos funcionários do governo Kirchner, Dilma retribuiu sempre sorridente.
Ela abraçou efusivamente o ex-ministro de Economia argentino Axel Kicillof e recebeu outras figuras de destaque do universo kirchnerista, como o ex-diretor da Biblioteca Nacional Horacio González, líder do grupo de intelectuais que apoiaram Cristina, a presidente das Avós da Praça de Maio, Estela de Carlotto, e outros representantes de movimentos sociais.
Em curta entrevista a meios locais e estrangeiros, disse não crer que o presidente Temer possa renunciar. "Acreditar nisso é uma ingenuidade, ninguém dá um golpe ilegal, ferindo e rasgando a Constituição, para depois renunciar. Quanto ao TSE, a chance que tinha de anular a nossa candidatura já foi, o tribunal já está em recesso. Além disso, não estava dentro do receituário dos golpistas tirar o Temer neste ano. Quando quiserem achar um motivo, eles acham, e se ficar para o ano que vem, é isso, vai ser o golpe dentro do golpe."
Dilma disse acreditar que a crise que vive o Brasil só se resolveria agora com uma eleição direta, e não poupou o atual ocupante do cargo de críticas. "Digo que só a eleição direta é solução porque o povo brasileiro jamais autorizou o congelamento dos gastos com educação e saúde por 20 anos, o povo brasileiro não pediu uma reforma que só permite a alguém aposentar-se depois de 49 anos de contribuição."
A ex-presidente fez críticas também ao uso político que acredita estar sendo feito das delações premiadas. "Ficou claro que esse foi um processo seletivo de vazamentos com cunho de perseguição política, ao PT, a Lula e a mim." E acrescentou: "a delação premiada não é prova, é um indício, tem de ser investigado, assim como as pessoas e os interesses por trás dela."
Dilma apontou como um "caso exemplar" a delação de Otavio de Azevedo, que havia declarado que Dilma havia recebido da Andrade Gutierrez R$ 1 milhão de modo ilícito. "Nós fomos investigar isso, e o que surge agora? Que na verdade o pagamento não foi para mim, foi um cheque nominal a quem? A Michel Temer. Ou seja, a delação não pode ser o fim da investigação. Não pode ser possível que agora Otavio de Azevedo simplesmente diga que se equivocou e fique por isso mesmo."
E acrescentou: "Então qual é a moral dessa história? Que se estava usando uma denúncia de corrupção como arma política". 
Com informações da Folhapress.

Autor CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Você edita-lo, no html
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Publicidade

Família grande projeto de Deus

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Quem sou eu

Minha foto
CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR
Visualizar meu perfil completo

Seguidores do site pelo Google+