Select Menu

TRADUZIR ESTE SITE

Web Rádio Gospel Adoração

» » "Timing para prender Lula pode surgir em 30 ou 60 dias", diz delegado-chefe da Lava Jato
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

  • O delegado federal Igor Romário de Paula comanda a equipe da Lava Jato
Prestes a concluir dois inquéritos contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o delegado da PF (Polícia Federal) que coordena as investigações da Operação Lava Jato, Igor Romário de Paula, afirma que o "timing" para prender o petista pode aparecer em "30 ou 60 dias". "Não acho que a gente perdeu o timing. Esse timing pode ser daqui a 30 dias, daqui a 60 dias", disse. A declaração ao UOL contradiz o delegado Maurício Moscardi Grillo, que, em entrevista à revista "Veja", disse que a PF havia "perdido o timing" para prender o ex-presidente. 
Igor Romário disse também acreditar que a morte do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Teori Zavascki foi um acidente e não resultado de um atentado ou sabotagem. Ele criticou ainda a ausência da PF durante a negociação dos acordos de delação premiada dos 77 executivos da Odebrecht. "É bem provável que haja a necessidade de um recall no caso da Odebrecht."
Procurados pela reportagem, os advogados do ex-presidente não quiseram se manifestar sobre as declarações de Igor Romário.
Leia abaixo os principais trechos da entrevista.
LULA
UOL: Um delegado da equipe da Lava Jato afirmou, recentemente, que se perdeu o "timing" para prender o ex-presidente Lula. O senhor concorda?
Igor Romário de Paula: É complicado falar em perder timing. Os requisitos para uma prisão preventiva são bastante objetivos. Lá atrás, na fase 24 da Lava Jato, quando houve a representação do Ministério Público [pela condução coercitiva de Lula, em março], não existiam os requisitos para um pedido de prisão do ex-presidente. Não acho que a gente perdeu o timing. Esse timing pode ser daqui a 30 dias, a 60 dias. A investigação que envolve o ex-presidente Lula é muito ampla.
Então o senhor não concorda com a afirmação de seu colega?
Não. O timing pode ser daqui a pouco. Não vejo nem perda de tempo nem condescendência com o fato de se tratar um ex-presidente. O próprio juiz Sergio Moro já mostrou que ele não leva isso em consideração quando toma suas decisões. Esse timing pode ser mais para frente, pode não ser aqui, pode aparecer nas investigações que acontecem em Brasília.O ex-presidente Lula afirmou que a Lava Jato tem "dedo estrangeiro". Já a ex-presidente Dilma declarou que a operação tem "interesses escusos".
Não vejo isso. Falo por mim e pela equipe que trabalha aqui: se houvesse algum tipo de interesse desse tipo ou de ingerência, nenhum de nós estaria aqui trabalhando. Dizer que há interesses internacionais é absurdo, não há nenhum fundamento. Dizer que a Lava Jato prejudica a economia brasileira é você botar a culpa na pessoa que encontrou o corpo em uma cena de homicídio. Há um desgaste para o país, claro, mas talvez ao final disso tudo o resultado seja muito mais positivo ao estancar a sangria da corrupção.
Quando os inquéritos sobre o sítio de Atibaia e palestras feitas pelo ex-presidente do Lula serão finalizados?
Em um deles falta um laudo pericial para que seja finalizado. E em outro, um detalhe de ordem técnica. Os dois estão sob a incumbência do delegado Márcio Anselmo [integrante da equipe coordenada por Igor Romário]. Eu imagino que, no máximo, em 30 dias esses inquéritos estarão concluídos.
MORTE DE TEORI
Nos últimos dias, as redes sociais foram tomadas por várias especulações sobre uma suposta sabotagem do avião em que estava o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Teori Zavascki. A PF detectou, ao longo da investigação da Lava Jato, ameaças a ele e a outras autoridades ou delatores ligados à investigação?
Não detectamos ameaças concretas contra investigadores da PF, nem contra procuradores, nem contra o próprio juiz Sergio Moro. Nunca chegou ao meu conhecimento informes sobre ameaças concretas contra ministros do STF. 
O que a gente enfrentou durante muito tempo -- e nos levava a dispor de procedimentos de segurança, a exemplo da escolta de Sergio Moro -- foi uma animosidade em alguns momentos nas redes sociais. O risco é avaliado e a gente faz um monitoramento [nas redes sociais] sobre o tudo o que está sendo dito sobre as autoridades envolvidas. Mas nunca houve casos de ameaças concretas ou de tentativas de agressão. Por incrível que pareça, não.
Qual sua opinião sobre o acidente que vitimou o ministro Teori Zavascki?
A impressão que eu tenho é que foi uma baita de uma coincidência negativa. Não vejo e nem temos nenhuma informação que leve à suspeita que tenha acontecido um atentado. Digo até isso até pela minha experiência profissional anterior, que é a de controlador de voo. Eu também trabalhei na investigação de acidentes aéreos. O caso foi um acidente.Houve um aumento na segurança do juiz Sergio Moro?
Não. Ele continua com a segurança que é feita por servidores de Justiça Federal, que inclui carro blindado, por exemplo. E nos eventos externos tem-se o apoio da Polícia Federal. Mas não houve nenhuma alteração do nível de segurança.
NOVO MINISTRO
O senhor considera o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, um bom nome para o STF?
Não tenho condições de fazer essa avaliação. Apareceram vários bons nomes, todos com um conhecimento jurídico necessário para ser ministro do STF. Até pela possibilidade desse novo ministro vir a assumir a relatoria da Lava Jato, o ideal é que o indicado seja a pessoa mais isenta e mais respaldada possível pela sociedade. A única indicação para ministro do STF que eu torci foi a do ministro Edson Fachin, que foi meu professor na universidade.
Então o senhor torce para que o ministro Fachin se torne o novo relator da Lava Jato?
Acho um bom nome.
DELAÇÕES DA ODEBRECHT
Qual o prejuízo para as investigações o fato de que a Polícia Federal não participou das oitivas dos delatores da Odebrecht? Há um risco de recall?
Sim, sem dúvida. A possibilidade de um retrabalho, de um recall, é muito provável que aconteça no caso da Odebrecht. O que acontece agora é que parte importante da equipe da investigação, que tem a memória e os conhecimentos dos fatos, deixa de participar dos acordos sobre os termos que vão ser relatados na delação.
Ninguém tem dúvida que uma investigação desse porte evoluiu a partir da colaboração entre o MPF e a PF, e com atuação firme da Justiça. Se estava dando certo, por que separar? Não é uma questão de protagonismo e sim de manter um trabalho que estava dando certo desde o começo.
Qual foi o argumento utilizado pela MPF para afastar a PF das delações?
Nunca houve uma comunicação formal. A equipe de Curitiba do MPF nunca se opôs à participação da PF. A partir de um determinado momento, surgiu uma orientação da PGR (Procuradoria-Geral da República) para que a PF não fosse convidada a participar. Muito se falou que isso foi feito para evitar vazamento e, de certa forma, isso foi ótimo porque passou-se a vazar delações de maneira consistente, depois que a PF saiu. Não estou dizendo que o MPF vazou, até porque há outras pessoas com acesso às delações, a exemplo dos advogados de defesa.
Fonte: https://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/brasil/2017/01/27/timing-para-prender-lula-pode-surgir-em-30-ou-60-dias-diz-delegado-chefe-da-lava-jato.htm

Autor CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Você edita-lo, no html
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Publicidade

Família grande projeto de Deus

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Quem sou eu

Minha foto
CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR
Visualizar meu perfil completo

Seguidores do site pelo Google+