Select Menu

TRADUZIR ESTE SITE

Web Rádio Gospel Adoração

» » Justiça inocenta médica acusada de matar pacientes em Curitiba
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

  • Virgínia chegou a ser presa em 2013; ela sempre negou as acusações
A médica Virgínia Helena Soares de Souza foi inocentada da acusação de matar sete pacientes, entre 2011 e 2013, na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Evangélico de Curitiba. Ela, que era chefe da UTI, havia sido indiciada por homicídio doloso duplamente qualificado por "antecipar a morte" (eutanásia) dos doentes. 
A decisão foi dada nessa quinta-feira (20) pelo juiz Daniel Surdi de Avelar, da 2ª Vara Privativa do Tribunal do Júri, que também inocentou os médicos Edison Anselmo da Silva Júnior, Maria Israela Cortez Boccato e Anderson de Freitas e as enfermeiras Laís da Rosa Groff e Patrícia Cristina de Goveia Ribeiro, que também trabalhavam na UTI.
O CRM-PR (Conselho Regional de Medicina do Paraná) já havia inocentado os médicos. 
Além das mortes, todos os acusados também respondiam pelo crime de formação de quadrilha, com violação de deveres inerentes à profissão. O Ministério Público Estadual do Paraná (MP-PR), afirmou que vai recorrer da decisão. Os promotores haviam pedido em outubro do ano passado que o caso fosse a júri popular.
"Não visualizo suficientes indícios de autoria para a prática dos supostos crimes narrados na denúncia aptos a submeter os acusados a júri popular. Não restou satisfatoriamente demonstrado que os acusados praticavam antecipações de óbitos, seja por questões técnicas, atinentes à medicina, seja pela tênue prova testemunhal nesse sentido", afirmou o juiz na decisão. 
O advogado da médica, Elias Mattar Assad, disse que o juiz acertou ao não levar o caso a júri popular. "Não tínhamos um fato criminoso. Exercer medicina intensiva não é crime e falamos [isso] desde o início", afirmou em entrevista coletiva nesta sexta-feira (21). 
A promotora de Justiça do MP-PR, Fernanda Nagl Garcez, afirmou que o MP respeita a decisão do juiz, mas que a considera inadequada. "O Código do Processo Penal estabelece que havendo a possibilidade depois da primeira instrução, crime de homicídio com indícios de autoria deve ser mandado a júri popular. Essa decisão não deixou o tribunal vir a julgar isso", explicou.
Segundo Garcez, a decisão do juiz não levou em consideração "o conjunto das provas, principalmente a prova documental e o prontuário dos pacientes". "Um laudo pericial feito pelo IML do Paraná, por um legista isento, analisou cientificamente todos os prontuários e a conclusão foi que todos os pacientes receberam a mesma medicação, com dosagens idênticas, sem levar em consideração que eram pacientes diversos, com tamanhos e condições de saúde diversos. Segundo a perícia, não havia explicação terapêutica que justificasse isso", explicou.
Ela afirmou ainda que o MP não questiona o uso do medicamento, mas a aplicação dele da maneira como foi feita.
Assad disse que o perito se deixou "inebriar pelas luzes do caso", e ficou tentado a dar opiniões. "Quarenta médicos depuseram no caso. Todos eles estariam errados? O CRM-PR estaria errado? O juiz que julgou analisou errado? Todo mundo está errado?", argumentou. Garcez, por sua vez, disse que a maioria dos médicos ouvidos trabalhava ainda trabalha no hospital e não possuem a isenção para analisar o caso tecnicamente. 

Ação contra o Estado

Assad disse que a médica perdeu praticamente tudo o que tinha e que agora mora com o filho. O advogado contou que foi o responsável por dar a notícia em primeira mão para a médica. "Segurei nas mãos dela e falei da sentença do juiz. Os olhos dela se encheram de lágrimas", contou.
A defesa informou que vai entrar uma ação contra o Estado.
"Não se pode 'desacontecer' o que já aconteceu. Não há dinheiro no mundo que devolva para alguém o que ela perdeu. Vamos entrar com uma ação contra o Estado de caráter pedagógico, para que o Estado não faça com outras pessoas o que fez com Vírginia", contou. Assad também disse que entrará com ação por danos morais. 
Virgínia já havia ganhado uma ação na Justiça do Trabalho contra o Hospital Evangélico, no valor de R$ 4 milhões. "Foi por questões trabalhistas, mas o hospital tem uma fila para pagar", contou.

Relembre o caso

Os episódios suspeitos vieram à tona em 2013, após investigação da Polícia Civil.
Segundo a denúncia do Ministério Público, os acusados agiram juntos para terminar com a vida de em pacientes internados na UTI, sob o comando de Virgínia.
Eles, supostamente, prescreviam certos medicamentos que, aliados à redução dos parâmetros de ventilação, levavam pacientes à morte. Os atos teriam como objetivo a liberação dos leitos na unidade de terapia intensiva.
Fonte:https://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/brasil/2017/04/21/justica-inocenta-medica-acusada-de-antecipar-a-morte-de-pacientes-em-curitiba.htm

Autor CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Você edita-lo, no html
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Publicidade

Família grande projeto de Deus

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Quem sou eu

Minha foto
CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR
Visualizar meu perfil completo

Seguidores do site pelo Google+