Select Menu

TRADUZIR ESTE SITE

Web Rádio Gospel Adoração

» » Odebrecht pagou R$ 19,7 milhões a Cunha por esquema no fundo do FGTS, diz delator
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

O ex-presidente da Infraestrutura Brasil Odebrecht Benedicto Barbosa da Silva Júnior afirmou, em sua delação premiada, que pagou R$ 19,7 milhões ao ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Os pagamentos ilícitos, de acordo com ele, foram feitos em 36 parcelas entre setembro de 2011 e setembro de 2014.
A propina correspondia à parte da Odebrecht referente aos 1,5% do total liberado pelo FI-FGTS (Fundo de Investimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) para as empresas que detinham obras do Porto Maravilha, no Rio.
Ao pedir a quantia, Cunha teria afirmado a BJ, apelido do ex-executivo da Odebrecht no meio político, que o dinheiro seria usado para um caixa do PMDB tendo em vista as eleições de 2014.
Procurada pela reportagem do UOL, a defesa de Cunha afirma que "a delação é falsa e não apresenta provas".
"Aceitei fazer os pagamentos, pois entendia que poderiam influenciar o voto do vice-presidente da Caixa Econômica Federal e membro do Comitê de Investimentos do FI-FGTS, Fábio Cleto, relativamente aos aportes futuros que deveriam ser realizados pelo FI-FGTS no Porto Maravilha", afirma BJ, como era conhecido o ex-executivo no meio político.
Valter Campanato/ Agência Brasil
Fábio Cleto afirmou que Cunha era seu sócio em esquema de propina
"Fábio Cleto havia sido indicado por Eduardo Cunha e, por isso, acreditava-se que o deputado tinha influência sobre seu voto", acrescenta o delator.
Outro delator da Odebrecht, Fernando Reis, confirma o relato de BJ. Reis disse que, em 2011, foi informado por Cunha que a troca do vice-presidente de Fundos de Governo (Moreira Franco por Fábio Cleto) havia acontecido pro causa da "necessidade de arrecadação do PMDB". Ele acrescenta: "Logo, ficou claro que a nomeação do senhor Fábio Cleto tinha cunho de arrecadação político-partidária, sob coordenação do deputado Eduardo Cunha."
Alvo da Operação Catilinárias, um desdobramento da Operação Lava Jato em dezembro de 2015, o ex-vice-presidente de fundos de governo e loterias da Caixa, Fábio Cleto, optou por fazer delação premiada. Ele confessou que recebeu um total de R$ 7,3 milhões em propina de dez empresas, em troca da liberação de recursos do FI-FGTS. E disse mais: seu sócio na empreitada era Eduardo Cunha.

Ação penal em Brasília

A informação de BJ confirma o relato de outros delatores que constam na ação penal que tramita da 10ª Vara Federal de Brasília, na qual Cuinha e outros réus são acusados de negociar propina para liberar verbas do Fundo de Investimentos do FGTS.
Divulgada em abril de 2016, a delação do executivo da Carioca Engenharia Ricardo Pernambuco Júnior já havia revelado que as empreiteiras ligadas às obras do Porto Maravilha deveriam pagar um total de R$ 52 milhões a Cunha. 
Deste montante, a parte da propina que caberia à Odebrecht eram justamente os R$ 19,7 milhões revelados por BJ. A outra empreiteira que pagou propina a Cunha neste caso era a OAS.
Atendendo a um pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República), o ministro Edson Fachin remeteu as informações referentes a Cunha e a Fábio Cleto à 10ª Vara Federal de Brasília. Porém, outros dados apresentados pelos delatores da Odebrecht sobre irregularidades serão acrescentados ao inquérito 4327 que tramita no STF (Supremo Tribunal Federal). Esta investigação apura o crime de organização criminosa por parte de deputados federais do PMDB.
Um terceiro delator, Paulo Cesena, que comandou a Odebrecht Transport, afirmou que sabia que Cunha "tinha grande influência e ingerência sobre o Comitê de Investimentos do FI-FGTS" desde a indicação de Fabio Cleto e que o parlamentar "poderia criar embaraços aos processos que tramitavam no Fundo, até mesmo inviabilizá-los". 

Pedido feito no escritório

De acordo com o relator de Benedicto Júnior, o encontro com Eduardo Cunha aconteceu entre "os meses de agosto de setembro de 2011" no Edifício De Paoli, no centro do Rio, onde funcionava o escritório político do então deputado federal.
À época, houve uma reunião entre os acionistas do consórcio Rio Faz, formado pela Odebrecht, OAS e Carioca Engenharia --que detinha parte das obras do Porto Maravilha. O encontro ocorreu no Hotel Sofitel, no Rio, e resultou na decisão de que cada empresa procuraria individualmente o deputado para cumprir a exigência feita por Cunha, conta o delator.
"Ficou claro que a partir dos pagamentos concretizados haveria apoio do deputado Eduardo Cunha para eventuais liberações futuras do FI-FGTS para o Porto Maravilha."BJ termina seu relato sobre o caso afirmando que "ocorreu o pagamento para o deputado federal Eduardo Cunha, conforme o exigido, do valor total de R$ 19,7 milhões, que foi feito com recursos não contabilizados em 36 de parcela de R$ 542 mil, no período de setembro de 2011 e setembro de 2014."
Ainda sobre os pagamentos, não havia necessidade da entrega de endereços para entregas de recursos e senhas, segundo o delator: "Eduardo Cunha utilizava os serviços do doleiro Álvaro José Novis, que também prestava o mesmo serviço para a companhia [Odebrecht] ".
Procurado pela reportagem, o advogado Pedro Ivo, um dos defensores do ex-deputado, afirma que a delação de BJ é falsa. "Essa delação é completamente desprovida de provas. O que está acontecendo é um concerto ilícito de delações. Não se apresenta qualquer prova do que os delatores alegam sobre a conduta de Eduardo Cunha."
Cassado pela Câmara de Deputados, Cunha encontra-se preso em Curitiba desde outubro do ano passado. O ex-deputado já foi condenado a 15 anos de 4 meses de prisão, por decisão do juiz federal Sérgio Moro, que preside os processos da Lava Jato em primeira instância.
Fonte: https://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/brasil/2017/04/14/odebrecht-pagou-r-197-milhoes-a-eduardo-cunha-por-esquema-no-fundo-do-fgts.htm

Autor CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Você edita-lo, no html
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Publicidade

Família grande projeto de Deus

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Quem sou eu

Minha foto
CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR
Visualizar meu perfil completo

Seguidores do site pelo Google+