Select Menu

OUÇA OS LOUVORES

TRADUZIR ESTE SITE

Cotação Bitcoin

Cotação Ouro

Cotação Euro

Cotação Dólar

» » Com Bolsonaro, extrema-direita embarca forte (e para vencer) nesta eleição, diz analista
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Para analista de cenários, deputado adota estratégia eficiente para manter competitividade na corrida presidencial e elege novo adversário para polarizar a disputa

SÃO PAULO - O simbólico evento que marcou a filiação do deputado federal Jair Bolsonaroao nanico PSL e o pontapé inicial para sua candidatura presidencial trouxe também novas 

indicações da estratégia a ser adotada pelo capitão reformado do Exército na corrida eleitoral. Na avaliação do analista de cenários Leopoldo Vieira, da Idealpolitik, a fase em que a candidatura do parlamentar poderia ser considerada meramente aventureira ficou para trás. "A extrema-direita embarcou forte, e para vencer nesta eleição", disse.
Para o analista, o parlamentar lança mão de um plano eficaz e hoje figura como candidato competitivo, como as próprias pesquisas de intenção de voto apontam, apesar dos inúmeros desafios a serem enfrentados e de apostas em uma futura desidratação. Além do posicionamento estratégico na agenda da segurança pública, que já se mostrou pauta poderosa, dado o elevado apoio dado à intervenção federal no Rio de Janeiro em seus primeiros dias, Bolsonaro adota discurso anticorrupção, de enxugamento de ministérios e tom agressivo contra as forças políticas à esquerda. Apesar da vida parlamentar, o discurso é antiestablishment. "Habilidoso, (uma surpresa segundo a análise política predominante), usou seus 20% nas pesquisas para escolher, aparentemente, um adversário: o pré-candidato do PSOL (extrema-esquerda), Guilherme Boulos, líder dos trabalhadores sem-terra 'terroristas', 'os marginais do sem-teto [que] vão ter um candidato à presidência'", observou. Enquanto o PT fica em um jogo de indefinição com a candidatura de Lula cada vez mais distante, o parlamentar escolhe novos adversários para polarizar o debate eleitoral.
"Os inimigos 'externos' de Bolsonaro, dentro do arquétipo do herói, estão claros nas falas de encerramento do discurso: a violência ('Violência se combate com energia e, se for o caso, com mais violência') e os 'comunistas' ('Só tem uma maneira dessa bandeira ficar vermelha, com o meu sangue'). Darão resultado? Já deram", comentou. O deputado lidera a corrida presidencial em todas as pesquisas, nos cenários em que a candidatura de Lula não é avaliada.
Para Vieira, mesmo o horizonte de dificuldades na costura de alianças e pouca estrutura partidária podem ser contornados, sobretudo se a centro-direita seguir patinando na corrida presidencial e o deputado mantiver os esforços em marchar ao centro e dialogar mais com os agentes econômicos. "Para quem crê que lhe falta estrutura partidária, tempo de rádio e TV, alianças etc, deveria observar mais sinais de que deve estar muito errado", provocou. Segundo ele, Bolsonaro, além de controlar a estrutura do PSL, pode mirar alianças. O analista acredita que mesmo a modesta fatia do fundo eleitoral com que conta o partido já será bastante útil para os trabalhos do presidenciável nas redes sociais.
"PRB, PR e PP já estão na mira de aliados possíveis e podem, sim, contagiarem-se com o potencial de Bolsonaro eleger bancadas, ainda mais se casar com a ideia de 'bancada da metralhadora'. O PSC vem de Paulo de Castro mesmo? Ou, talvez, este possa ser até um vice? Afinal, 'o futuro a Deus pertence', como disse o senador evangélico Magno Malta (PR-ES) sobre a aclamação que recebeu como provável ocupante desta vaga na chapa", escreveu em relatório a clientes.
Embora tenha titubeado na questão das privatizações, Bolsonaro deu novas piscadas ao público mais ao centro. "[Ele] Reconheceu que não entende de economia, ou seja: Paulo Guedes, o liberal, será o 'general' inconteste nessa área, o mercado não teria com o que se preocupar, outrossim ganha um interlocutor que conhece, respeita e confia", afirmou Vieira.
"Anunciou que reduzirá de 29 para 15 o número de ministérios no Brasil, num choque retórico de austeridade, para agregar valor à assertiva de que quem mandará na gestão econômica será Paulo Guedes (por ora ele)", complementou. O mesmo vale para as promessas de anúncio dos ministeriáveis no início da campanha eleitoral, que pode valer como aceno contrário ao chamado "toma-lá-dá-cá" e indicação de maior transparência e um mínimo de previsibilidade.
Por fim, o novo bodão da "bancada da metralhadora" por ele criado, além da óbvia indicação ao seu público original de extrema-direita, oferece acenos de governabilidade, outra de suas maiores fraquezas. "Enquanto empresários impulsionam candidaturas renovadoras transversais a partidos políticos e Lula ainda tenta convencer o PT de que é necessário seguir compondo alianças amplas para governar, Bolsonaro dá a receita eficiente para as duas coisas, pois a bancada que advoga já existe, é transversal, grande e deve se ampliar, inclusive embalada pela candidatura dele", concluiu o analista.
Fonte: http://www.infomoney.com.br

Autor CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Você edita-lo, no html
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Publicidade

Família grande projeto de Deus

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
CULTO ABENÇOADO NO SEU LAR LAR
Visualizar meu perfil completo

Seguidores do site pelo Google+